domingo, 31 de março de 2013

Domingo de Páscoa

http://www.catequisar.
com.br/texto/materia/celebracoes/semanasanta/03.htm
foto reproducao internet

O Domingo de Páscoa, ou a Vigília Pascal, é o dia em que até mesmo a mais pobre igreja se reveste com seus melhores ornamentos, é o ápice do ano litúrgico. É o aniversário do triunfo de Cristo. É a feliz conclusão do drama da Paixão e a alegria imensa depois da dor. E uma dor e alegria que se fundem pois se referem na história ao acontecimento mais importante da humanidade: a redenção e libertação do pecado da humanidade pelo Filho de Deus.

São Paulo nos diz : "Aquele que ressuscitou Jesus Cristo devolverá a vida a nossos corpos mortais". Não se pode compreender nem explicar a grandeza da Páscoa cristã sem evocar a Páscoa Judaica, que Israel festejava, e que os judeus ainda festejam, como festejaram os hebreus há três mil anos. O próprio Cristo celebrou a Páscoa todos os anos durante a sua vida terrena, segundo o ritual em vigor entre o povo de Deus, até o último ano de sua vida, em cuja Páscoa aconteceu na ceia e na istituição da Eucaristia.

Cristo, ao celebrar a Páscoa na Ceia, deu à comemoração tradicional da libertação do povo judeu um sentido novo e muito mais amplo. Não é um povo, uma nação isolada que Ele liberta, mas o mundo inteiro, a quem prepara para o Reino dos Céus. A Páscoa cristã - cheia de profunda simbologia - celebra a proteção que Cristo não cessou nem cessará de dispensar à Igreja até que Ele abra as portas da Jerusalém celestial. A festa da Páscoa é, antes de tudo, a representação do acontecimento chave da humanidade, a Ressurreição de Jesus depois de sua morte consentida por Ele para o resgate e a reabilitação do homem caído. Este acontecimento é um dado histórico inegável. Além de que todos os evangelistas fizeram referência. São Paulo confirma como o historiador que se apoia, não somente em provas, mas em testemunhos.

Páscoa é vitória, é o homem chamado a sua maior dignidade. Como não se alegrar pela vitória d'Aquele que tão injustamente foi condenado à paixão mais terrível e à morte de cruz?, pela vitória d'Aquele que anteriormente foi flagelado, esbofeteado, cuspido, com tanta desumana crueldade.

Este é o dia da esperança universal, o dia em que em torno ao ressuscitado, unem-se e se associam todos os sofrimentos humanos, as desolusões, as humilhações, as cruzes, a dignidade humana violada, a vida humana respeitada.

A Ressurreição nos revela a nossa vocação cristã e nossa missão: aproximá-la a todos os homens. O homem não pode perder jamais a esperança na vitória do bem sobre o mal. Creio na Ressurreição?, a proclamo?; creio em minha vocação e missão cristã, a vivo?; creio na ressurreição futura? , é alento para esta vida?, são perguntas que devem ser feitas.

A mensagem redentora da Páscoa não é outra coisa que a purificação total do homem, a libertação de seus egoísmos, de sua sensualidade, de seus complexos, purificação que, ainda que implique em uma fase de limpeza e saneamento interior, contudo se realiza de maneira positiva com dons de plenitude, com a iluminação do Espírito, a vitalização do ser por uma vida nova, que transborda alegria e paz - soma de todos os bens messiânicos-, em uma palavra, a presença do Senhor ressuscitado. São Paulo o expressou com incontida emoção neste texto: " Se ressuscitastes com Cristo, então vos manifestareis gloriosos com Ele".

fonte catequisar


sábado, 30 de março de 2013

Semana Santa: o significado do Sábado de Aleluia e da Malhação de Judas


Um pouco de tudo – Sábado de Aleluia é um dia de comemoração no calendário de feriados religiosos do Cristianismo, sempre antes da Páscoa. O Sábado de Aleluia é o último dia da Semana Santa. O Sábado Santo pode cair entre 21 de março e 24 de abril, e nesse sábado é celebrada a Vigília pascal depois do anoitecer, dando início à Páscoa. Sábado de Aleluia é o sábado anterior ao domingo de Páscoa, onde acende-se o Círio Pascal, uma grande vela que simboliza a luz de Cristo, que ilumina o mundo. Na vela, estão gravadas as letras gregas Alfa e Ômega, que querem dizer “Deus é o princípio e o fim de tudo”.
Na tradição católica, os altares são descobertos, pois assim como na Sexta-Feira Santa, não se celebra a Eucaristia. As únicas celebrações que fazem parte é a Liturgia das Horas. Além da Eucaristia, é proibido celebrar qualquer outro sacramento, exceto o da confissão.
Antes de 1970, no sábado de aleluia os católicos romanos deveriam praticar um jejum limitado, como abstinência de carne de gado, mas poderiam consumir peixe, etc. É também no Sábado de Aleluia que se faz a tradicional Malhação de Judas, representando a morte de Judas Iscariotes.
Judas: a farra do sábado
foto reproducao internet uncho.info
Malhação de Judas ou Queima de Judas é tradição em diversas comunidades católicas e ortodoxas, introduzida na América Latina pelos espanhóis e portugueses. É também realizada em diversos outros países, sempre no Sábado de Aleluia, simbolizando a morte de Judas Iscariotes. Consiste em surrar um boneco do tamanho de um homem, forrado de serragem, trapos ou jornal, pelas ruas de um bairro e atear fogo a ele, normalmente ao meio-dia.
Cada país realiza a tradição de um modo, alguns queimam os bonecos em frente a cemitérios ou perto de igrejas. No Brasil é comum enfeitar o boneco com máscaras ou placas com o nome de políticos, técnicos de futebol ou mesmo personalidades não tão bem aceitas pelo povo.
Algumas cidades fazem da Malhação de Judas uma atração turística, como a cidade paulista de Itu. Famosa por seus objetos de tamanhos avantajados, os moradores da cidade aumentam o tamanho do boneco a cada ano, mas com um diferencial, no lugar de atearem fogo, é usando até mesmo dinamite, costuma-se chamar o Estouro de Judas.

 Ucho.info
Link para esta matéria: http://ucho.info/?p=54273

sexta-feira, 29 de março de 2013

SIGNIFICADO DA SEXTA-FEIRA SANTA



Segundo a tradição cristã, a ressurreição de Cristo aconteceu no domingo seguinte ao dia 14 de Nisã, no calendário hebraico. A mesma tradição refere ser esse o terceiro dia desde a morte. Assim, contando a partir do domingo, e sabendo que o costume judaico, tal como o romano, contava o primeiro e o último dia, chega-se à sexta-feira como dia da morte de Cristo.

A Sexta-feira Santa é um feriado móvel que serve de referência para outras datas. É calculado como sendo a primeira Sexta-feira de lua cheia após o equinócio de outono no hemisfério sul ou o equinócio de primavera no hemisfério norte, podendo ocorrer entre 22 de março e 25 de abril.

A Sexta-feira Santa, ou 'Sexta-feira da Paixão', é a Sexta-feira antes do Domingo de Páscoa. É a data em que os cristãos lembram o julgamento, paixão, crucificação, morte e sepultura de Jesus Cristo, através de diversos ritos religiosos.


Na Igreja Católica, este dia pertence ao Tríduo pascal, o mais importante período do ano litúrgico. A Igreja celebra e contempla a paixão e morte de Cristo, pelo que é o único dia em que não se celebra, em absoluto, a Eucaristia.

Por ser um dia em que se contempla de modo especial Cristo crucificado, as regras litúrgicas prescrevem que neste dia e no seguinte (Sábado Santo) se venere o crucifixo com o gesto da genuflexão, ou seja, de joelhos.

No entanto, mesmo sem a celebração da missa, tem lugar, no rito romano, uma celebração litúrgica própria deste dia. Tal celebração tem alguma semelhança com a celebração da Eucaristia, na sua estrutura, mas difere essencialmente desta pelo facto de não ter Oração eucarística, a mais importante parte da missa católica.

A celebração da morte do Senhor consiste, resumidamente, na adoração de Cristo crucificado, precedida por uma liturgia da Palavra e seguida pela comunhão eucarística dos participantes. Presidida por um presbítero ou bispo, paramentado como para a missa, de cor vermelha, a celebração segue esta estrutura:

  • Entrada em silêncio do presidente e dos ministros, que se prostram em adoração diante do altar oração colecta.
  • Liturgia da Palavra: leitura do livro de Isaías (quarto cântico do servo de Javé, Is 52,13-53,12), salmo 31 (30), leitura da Epístola aos Hebreus (Hebr 4, 14-16; 5, 7-9), aclamação ao Evangelho e leitura do Evangelho da Paixão segundo João (Jo 18,1-19,42, geralmente em forma dialogada).
  • Homilia e silêncio de reflexão.
  • Oração Universal, mais longa e solene do que a da missa, seguindo o esquema intenção – silêncio – oração do presidente.
  • Adoração da Cruz: a cruz é apresentada aos fiéis e adorada ao som de cânticos.
  • Pai Nosso
  • Comunhão dos fiéis presentes. Toma-se pão consagrado no dia anterior, Quinta-Feira Santa.
  • Oração depois da comunhão.
  • Oração sobre o povo.

    Obs: Em muitas cidades históricas como: Paraty, Ouro Preto, Pirenópolis e Jaraguá - GO a Celebração da Paixão e Morte do Senhor é procedida da Procissão do Enterro, também conhecida como Procissão do Senhor Morto, em que são cantados motetos em latim.

    Toda a liturgia católica deste dia está em função de Cristo crucificado. Assim, a liturgia da Palavra pretende introduzir os fiéis no mistério do sofrimento e da morte de Jesus, que assim aparece como uma acção livre de Cristo em ordem à salvação de toda a humanidade.

    A veneração da cruz, símbolo da salvação, pretende dar expressão concreta à adoração de Cristo crucificado.

    A comunhão eucarística é, para a Igreja, a forma mais perfeita de união com o Mistério pascal de Cristo, e por isso é um ponto culminante na união dos fiéis com Cristo crucificado. O fato de se comungar do pão consagrado no dia anterior vem exprimir e reforçar a unidade de todo o Tríduo Pascal.

    Além da celebração da Paixão do Senhor, rezam-se as diversas horas litúrgicas da Liturgia das Horas.

A Igreja exorta os fiéis a que neste dia observem alguns sinais de penitência, em respeito e veneração pela morte de Cristo. Assim, convida-os à prática do jejum e da abstinência da carne.

Exercícios piedosos, como a Via Sacra e o Rosário, são também recomendados como forma de assinalar este dia especialmente importante para a fé cristã.

 http://www.catolicismoromano.com.br/content/view/416/29/
http://2.bp.blogspot.com/-Ag9dc1WUalg/T4IPdRgsAnI/AAAAAAAAIoU/7T_ITHSBIdQ/s1600/DSC_0015.JPG

Fonte Catolicismo romano

quinta-feira, 28 de março de 2013

Gugu entrega casa em Bananeiras e revela desejo de voltar à Paraíba


Créditos: Josias PbMix
Gugu Liberato veio à cidade de Bananeiras, Brejo paraibano, para gravação do quadro “De Volta pro Meu Aconchego”, exibido semanalmente no “Programa do Gugu”, que vai ao ar todos os domingos, às 15h, na TV Correio/Record.
Ele chegou ao município na manhã desta quarta-feira (27) e foi recepcionado por uma grande multidão que acompanha de perto as gravações emocionantes que registram o retorno da família Silva à Paraíba.

Gugu atende os fãs de forma carinhosa e mostra muita simpatia em sua passagem pelo nosso estado.
Numa entrevista ao repórter Márcio Rangel, da TV Correio, ele disse que está encantado com a Paraíba e quer voltar em junho, durante o Maior São João do Mundo:
“Estou muito feliz com a recepção, a cidade de Bananeiras tem pessoas maravilhosas. Quero muito voltar à Paraíba; quero vir no Maior São João do Mundo. Acho a festa lindíssima, com todos aqueles ambientes cenográfios, mas só vejo pela TV. Quero conhecer pessoalmente.” – revelou. 
O apresentador fica em Bananeiras até o final do dia, quando deve retornar para São Paulo, depois das gravações.
O quadro “De Volta para o Meu Aconchego” com a família Silva deverá ser exibido no próximo domingo (31.03).
Gugu no encontro com a família Silva no Águas da Serra Golf Cube em Bananeiras. Créditos: Diretoria de Eventos Bananeiraspb

Gugu é recebido por multidão em Bananeiras
Foto: Gugu é recebido por multidão em Bananeiras
Créditos: Márcio Rangel
Gugu é recebido por multidão em Bananeiras
Foto: Gugu é recebido por multidão em Bananeiras
Créditos: Márcio Rangel
Gugu é recebido por multidão em Bananeiras
Foto: Gugu é recebido por multidão em Bananeiras
Créditos: Márcio Rangel
Gugu é recebido por multidão em Bananeiras
Foto: Gugu é recebido por multidão em Bananeiras
Créditos: Josias PbMix

Creditos: Josias PbMix
Créditos: bananeirasagora
Douglas Lucena, prefeito de Bananeiras, com a família contemplada e GUGU – Créditos: Marta Romão
Créditos: Bananeirasagora
Créditos: Rafaela Valério
Créditos: Diretoria de Eventos Bananeiraspb
O prefeito Douglas Lucena falando ao Programa do Gugu. Créditos: Diretoria de Eventos Bananeiraspb
atualizado em 27/03/13 às 17h31
Por Alisson Correia com informações de Márcio Rangel do bananeiras on line
http://bananeirasonline.com/site/gugu-entrega-casa-em-bananeiras-e-revela-desejo-de-voltar-a-paraiba/

Velório de gato chama atenção de moradores do interior de Minas Gerais

Patrícia Aparecida Coutinho Lages Internauta, São João do Manteninha, MG

Velório do gato Cristiano movimentou a pequena cidade de São João do Manteninha, no Leste de Minas Gerais (Foto: Patrícia Aparecida Coutinho / VC no G1)Velório do gato Cristiano movimentou a pequena cidade de São João do Manteninha, no Leste de Minas Gerais (Foto: Patrícia Aparecida Coutinho / VC no G1)
Um velório inusitado chamou a atenção dos moradores de São João do Manteninha, no Leste de Minas Gerais. Uma moradora da cidade resolveu velar o gato da filha.
No velório do gato Cristiano, realizado na noite dessa terça-feira (26), uma fila foi formada. A mãe da dona do gato ofereceu até um lanche para as 200 pessoas que foram dar adeus ao bichano.

Patrícia Aparecida Coutinho Lages é colega da dona do gato e enviou fotos do velório para o VC no G1. Ela conta que o gato tinha 13 anos e sua morte causou muita tristeza à dona. “Ela encontrou uma forma de prestar seus sentimentos ao gatinho tão amado por ela, comprou então um caixão, e fez o velório do seu estimado animal. Foi o comentário da cidade”, conta a internauta.

Uma funerária preparou o corpo do felino que foi coberto por flores brancas em seu pequeno caixão.  O corpo do gato só não foi enterrado no cemitério na cidade, porque não teve autorização da Polícia Militar.

Nota da Redação: Polícia Militar não permitiu que o gato fosse enterrado no cemitério do município. A PM alega que o enterro não foi permitido, pois isto seria um desrespeito com os parentes dos mortos enterrados ali.

Dica da Secretaria de Segurança da Paraíba vira chacota nacional

foto reproducao internet pb agora
Dica da Secretaria de Segurança da Paraíba vira chacota nacional Dica da Secretaria de Segurança da PB para evitar assaltos repercute na Veja e ‘orientação’ vira chacota nacional

Uma reportagem publicada na edição on line da Revista Veja enfocando mais uma vez a segurança pública do Estado da Paraíba traz uma informação até então desconhecida para paraibanos. A reportagem destaca que o Governo da Paraíba recomenda que mulheres façam “cara de brava” para evitar assaltos.

Conforme a publicação, a dica consta no site de Secretaria de Segurança, que também diz que mulheres devem levar bolsa reserva "com quinquilharias" para entregar aos ladrões.

Essa não é a primeira vez que a mídia nacional produz matérias enfocando a Secretaria de Segurança Pública como alvo. Desde o início do mês de março consecutivas matérias foram publicadas em meios de comunicação renomados, a exemplo do site da Folha de São Paulo e também o UOL, denunciando o aumento da violência no Estado, inclusive com dados referentes ao ano de 2012.

Em contrapartida, o Governo do Estado faz balanço que contradiz a informação da mídia nacional. Nesta quarta-feira (20), em release encaminhado à imprensa, o Governo da Paraíba afirma que a violência diminuiu mais de 10% no ano passado.

CONFIRA A MATÉRIA NA ÍNTEGRA

Segurança

Paraíba: governo recomenda que mulheres façam “cara de brava” para evitar assaltos

Como evitar ser assaltado? Se você for uma mulher paraibana que tem medo de andar à noite ou que acabou de sair do banco, talvez seja o caso de fazer “cara de brava”, “franzir as sobrancelhas” e “falar alto consigo mesma”. Pelo menos é o que recomenda em seu site a Secretaria de Segurança e Defesa Social da Paraíba, a pasta responsável pelo policiamento do sexto estado mais violento do país.

Numa seção de dicas de segurança, a maior parte delas composta por conselhos para evitar assaltos, a secretaria mantém uma seção especial de “segurança para mulheres”. Nela, quem acessar o site vai encontrar o item onde se lê “se você se sente insegura ao andar à noite numa rua deserta, ou ao sair do banco com o dinheiro na bolsa, faça cara de brava, franza as sobrancelhas, fale alto consigo mesma”.

O site recomenda ainda, entre outras curiosidades, que as mulheres mantenham no carro “uma bolsa à vista, com quinquilharias e algum dinheiro, para que um eventual ladrão possa levá-la sem lhe trazer muito prejuízo”.


Com essas dicas, a secretaria paraibana segue o exemplo das polícias Militar e Civil da Bahia, que nos sites das corporações mantinham seções de dicas que recomendavam, entre outras coisas, que os cidadãos andassem com "um pouco de dinheiro para satisfazer o ladrão”. Após a informação ser divulgada pela imprensa, as listas de dicas foram retiradas do ar.

MacGyver – Algumas das dicas da secretaria da Paraíba são quase idênticas àquelas recomendadas pela polícia baiana. Uma delas sugere que a população incorpore o espírito inventivo e audacioso do personagem MacGyver, da série televisa Profissão: Perigo, em caso de sequestro. “Treine como sair de um porta-malas, para o caso de ser aprisionado. Em caso de tranca mecânica, treine com um grampo, arame ou canivete o levantamento da trava. Em caso de trava elétrica, identifique o caminho da fiação para poder cortá-la”, recomenda a secretaria de Segurança.

A maior parte das dicas, divididas em seções como “andando na rua” e “segurança no trânsito”, é formada por conselhos úteis, apesar de serem bastante óbvios, como “ao fazer um saque, nunca coloque o dinheiro ou a carteira no bolso de trás”.

Outras dicas soam especialmente datadas. Um exemplo: “quando estiver na rua, não escute walkman ou discman. Para estar a salvo, é preciso ficar atenta ao que acontece em volta” ou “antes de sair de um bar com algum desconhecido, ligue para um amigo, ou para sua própria secretária eletrônica, avisando a hora em que está saindo, para onde pretende ir e com quem está”.

Há também recomendações que soam geograficamente curiosas, já que o estado em questão é a Paraíba. “Não exibir 'currículo' no carro. Adesivos como: ‘Eu amo Campos do Jordão’ (...) levam à deduções sobre a rotina das pessoas”, diz uma das dicas.

Fonte – Logo abaixo de algumas das seções de dicas, a secretaria paraibana afirma que a fonte para uma parte delas foi o site da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo. E de fato algumas das dicas constam no site da Polícia Civil paulista, porém as dicas mais “curiosas” não fazem parte das recomendações do site de São Paulo.

Ninguém foi encontrado na Secretaria de Segurança Pública na noite desta terça-feira para comentar as dicas publicadas no site.

Na edição 2012 do Mapa da Violência, elaborado pelo Centro Brasileiro de Estudos Latino-Americanos, a Paraíba apareceu como o sexto estado com o maior número de homicídios do país. Segundo dados de 2010, a taxa de homicídios por 100.000 habitantes na Paraíba é de 38,6, enquanto a média brasileira é de 26,2. João Pessoa é a segunda capital mais violenta do país, logo depois de Maceió, com média de 80,3 assassinatos por 100.000 habitantes.



Márcia Dias

PB Agora, com Veja 

Fotos reproducao pb agora

Missa do Lava Pés – Saiba o significado


O lava-pés era muito usado no tempo de Jesus e até mesmo antes do seu nascimento. Era um trabalho humilde, feito por escravos, que consistia em lavar os pés dos patrões da casa e de daqueles que chegavam de viagem. Não raro, esse trabalho era considerado humilhante a ponto de ser designado como castigo a algumas pessoas que cometiam algum delito legal. 
Jesus, ao realizar este gesto, coloca-se como escravo, o que fez Pedro reagir diante de Jesus não querendo admitir, de modo algum, que o Mestre se rebaixasse como escravo diante dele. Olhando o conceito que as pessoas, do tempo de Jesus, tinham desse gesto do lava-pés,  compreendemos o alcance e o significado do gesto de Jesus. 
 O rito do lava-pés, na liturgia, é conhecido desde a mais remota antiguidade e foi pratica por Papas, bispos e sacerdotes de todas as épocas. Também imperadores e reis praticaram o lava-pés como sinal de serviço aos seus súditos. Os monges, que recebiam peregrinos em seus mosteiros, acolhiam-lhes  com ósculo da paz e lavando-lhes os pés, para demonstrar que estavam a serviço do hóspede. Desde o século IV conhece-se o rito do lava-pés no Ocidente, com exceção de Roma. 
 Em Roma, o gesto do lava-pés na quinta-feira santa generalizou-se a partir do Século XI. O Missal de Pio V (1563) coloca o lava-pés no final da missa. A rubrica assim orientava: "Post desnudationem altarium, hora competenti facto signo cum tabula, conveniunt clerici ad faciendum mandatum (...)" Foi em 1955, com a reforma da Semana Santa, que o rito do lava-pés passou ser feito depois da homilia, como é feito atualmente. 
Uma curiosidade diz respeito daqueles que teriam seus pés lavados, na Idade Média e até recentemente. Deveriam ser pobres. Em alguns países eram 12 homens que representavam os 12 apóstolos de Jesus Cristo. Em outros países eram 13, como acontecia em Roma, e como perdurou até a Reforma da Semana Santa, em 1955. O número de 13 pessoas tinha duas explicações: antigamente, realizavam-se dois lava-pés; um em comemoração do lava-pés que fez Madalena, quando lavou os pés de Jesus com suas lágrimas e o outro, recordando o gesto de Jesus, ao lavar os pés dos seus apóstolos. Como o primeiro gesto foi suprimido, aquele que representava Jesus passou a tomar parte do lava-pés dos apóstolos, totalizando 13 pessoas. A segunda explicação é atribuída ao Papa Bento XIV que contava que um dia o Papa Gregório Magno, ao lavar os pés de 12 pobres, ao chegar no 12º notou que tinha mais um; era um anjo e, para recordar este fato, desde então conservou-se o número 13 até o século XX.
 Atualmente a cerimônia do lava pés é realizada pelo sacerdote, que lava os pés de algumas pessoas da comunidade imitando Jesus no gesto, mas não como teatro; ao contrário, como compromisso de estar a serviço da comunidade, para que todos tenham a salvação, como fez Jesus.  O rito atual acontece depois da homilia quando o sacerdote, retirando a casula, cinge-se com um avental e lava os pés daqueles representantes da comunidade.
A Missa do Lava Pés da Paróquia Nossa Senhora da Assunção acontecerá na próxima quinta feira, às 20hs na matriz auxiliar.

Por Pe. Ricardo 

Antes usado para definir altura, nº dos ovos de Páscoa perdeu função

Anay Cury Do G1, em São Paulo
Se na década de 1990, o número impresso nas embalagens dos ovos de Páscoa era uma espécie de padronização de altura, hoje não passa de uma tradição que alguns fabricantes mantêm – mas que pode confundir os consumidores.
Com o passar dos anos e com a diversificação da produção das indústrias, os números perderam a utilidade. Hoje, as apresentações e os pesos de um ovo com mesmo número podem variar muito entre si: seja porque um tem mais recheio na casca ou porque outro vem com brinde dentro.

“Isso [uso de números] vem de muito tempo. Antigamente, as empresas usavam os números para mostrar a altura dos moldes. Nunca teve relação com o peso. As fábricas usam até hoje mais por costume, não é nenhuma exigência do Inmetro, por exemplo”, disse o vice-presidente do setor de chocolates da Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados (Abicab), Ubiracy Fonseca.
  •  
Quadro com tamanho dos ovos de Páscoa (Foto: Editoria de Arte/G1)
Por isso, a orientação dos órgãos de defesa do consumidor é que o número do ovo jamais seja considerado, mas sim o peso, que obrigatoriamente deve estar estampado no produto. “Os números não informam absolutamente nada, e o consumidor acaba sendo induzido ao erro ao achar que está levando mais chocolate ao olhar para o número do ovo. Fizemos uma pesquisa  há uns três anos entre consumidores, nessa época de Páscoa. A conclusão foi de que muitos ainda consideram o número do ovo na hora de comprar”, disse Karina Alfano, gerente do Instituto de relacionamento do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec).
Se quiser tirar a prova, basta que o consumidor vá até um supermercado e compare as opções de ovos à venda. O G1 comparou o tamanho e o peso de quatro ovos de Páscoa de marcas e fabricantes distintos, mas do mesmo número: 15. A diferença de peso chega a 41%. Enquanto um ovo Serenata de Amor, da Garoto, pesa 240 gramas, um Hot Wheels, da Lacta, com um carrinho de brinde, tem 170 gramas.

Ovos mais caros
“Antes de comprar, além de descartar essa informação sobre os números, o consumidor deve ficar atento aos preços, que costumam ter uma variação muito grande dentro da mesma cidade”, alertou a gerente do Idec.

O ovo de Páscoa está 6,42% mais caro este ano, na comparação com a celebração do ano passado, de acordo com pesquisa divulgada pela Fundação Getulio Vargas (FGV. A alta supera a inflação acumulada pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPC/FGV) entre março de 2012 e fevereiro de 2013, que foi de 6,04%.

GUGU NA PARAÍBA: Grupo Rio do Peixe foi o maior parceiro da Rede Record no 'De Volta Pro Meu Aconchego'; empresa doou móveis e vai virar destaque nacional

blog marcio rangel



foto marcio rangel

foto marcio rangel

Em sua vinda a Paraíba, ocorrida nesta quarta-feira (27), o apresentador da Rede Record de Televisão, Augusto Liberato (Gugu), entregou uma casa toda mobiliada a mais uma família paraibana. A primeira foi entregue na cidade de Santana de Mangueira, no Sertão do Estado.
Desta vez, a família que participa do Programa no quadro “De Volta Pro Meu Aconchego” é da cidade de Bananeiras.
foto reproducao internet
A empresa que participou da parceria na doação dos móveis para a casa da família sertaneja foi o Lojão Rio do Peixe, da cidade de Cajazeiras. Na cidade Bananeiras, a empresa cajazeirense participou novamente da parceria e levou seus móveis para a família bananeirense.
A importância da parceria foi destacada por um dos supervisores do Grupo Rio do Peixe. “Ficamos muito felizes em poder, mais uma vez, ajudar a construir uma vida diferente para mais uma família paraibana. O Lojão Rio do Peixe é genuinamente de nossa terra, com 18 lojas espalhadas por todo estado. Somos geradores de rendas e empregadores, e por isso, também nos preocupamos com o social” comentou Jorge Eduardo.
A mobília da casa entregue a Família Silva, em Bananeiras, foi toda formatada com móveis e eletrodomésticos de primeira linha. Todos os utensílios para deixar a residência bonita e confortável tiveram a marca do Lojão Rio do Peixe.
Chegada - Gugu amanheceu em Campina Grande e desembarcou no aeroporto Presidente João Suassuna por volta das 5h e seguiu para Garden Hotel. De lá, o apresentador foi para o Marc Center Hotel, onde se encontrou com a sua produção e seguiu para o Brejo do estado.

foto marcio rangel

quarta-feira, 27 de março de 2013

Facebook habilita 'ligações gratuitas' por voz para usuários no Brasil

Thiago Barros Para o TechTudo
Enfim, as ligações gratuitas por voz do Facebook estão disponíveis para usuários do Brasil. Um representante da maior rede social do mundo confirmou que este recurso deve chegar, aos poucos, às versões móveis do serviço, tanto para o sistema Android como também para iOS.
Veja o tutorial de como realizar as ligações pelo Facebook
Ligações por voz passam a funcionar pelo Messenger do Facebook no Brasil (Foto: TechTudo/Rodrigo Bastos)Ligações por voz passam a funcionar pelo Messenger do Facebook no Brasil (Foto: TechTudo/Rodrigo Bastos)
O recurso foi lançado há algum tempo nos Estados Unidos, no início do ano, e o claro objetivo por trás da novidade é realizar uma grande concorrência a outros programas, como Skype e Viber. Afinal, a base de usuários do Facebook é enorme e permitir que existe uma comunicação gratuita por voz entre eles é um grande serviço.
“Acabamos de lançar ligações usando o Facebook no Brasil. A funcionalidade – que eu ajudei a desenvolver – está sendo disponibilizada gradualmente para os usuários da aplicação do Facebook para iPhone, Facebook Messenger para iPhone e Facebook Messenger para Android”, anunciou Thiago Hirai, engenheiro de software do Facebook, em publicação no seu perfil da rede social.
Messenger de usuário mostra que as ligações estão mesmo sendo atendidas (Foto: TechTudo/Rodrigo Bastos)Messenger de usuário mostra que as ligações
estão mesmo sendo atendidas (Foto:
TechTudo/Rodrigo Bastos)
A novidade só está acessível para quem já associou sua conta do Facebook ao número de telefone celular onde usa o aplicativo. Para iniciar a ligação, é bem simples: abra uma conversa com um amigo e toque no ícone com um ‘i’ no canto direito superior. Depois, é só selecionar ‘Ligação gratuita’. O botão só estará habilitado para quem também tem sua conta associada e uma versão atualizada do aplicativo.

Na PB, Gugu grava quadro e revela: "Quero voltar no São João"

Reprodução/Internet

12
Gugu
Gugu Liberato está na cidade de Bananeiras, Brejo paraibano, para gravação do quadro “De Volta pro Meu Aconchego”, exibido semanalmente no “Programa do Gugu", que vai ao ar todos os domingos, às 15h, na TV Correio/Record.
Ele chegou ao município na manhã desta quarta-feira e foi recepcionado por uma grande multidão que acompanha de perto as gravações emocionantes que registram o retorno da família Silva à Paraíba.
Gugu atende os fãs de forma carinhosa e mostra muita simpatia em sua passagem pelo nosso estado.
Numa entrevista ao repórter Márcio Rangel, da TV Correio, ele disse que está encantado com a Paraíba e quer voltar em junho, durante o Maior São João do Mundo:
"Estou muito feliz com a recepção, a cidade de Bananeiras tem pessoas maravilhosas. Quero muito voltar à Paraíba; quero vir no Maior São João do Mundo. Acho a festa lindíssima, com todos aqueles ambientes cenográfios, mas só vejo pela TV. Quero conhecer pessoalmente." - revelou.
O apresentador fica em Bananeiras até o final do dia, quando deve retornar para São Paulo, depois das gravações.
O quadro “De Volta para o Meu Aconchego” com a família Silva deverá ser exibido no próximo domingo (01.04).
 Créditos: Márcio RangelFoto: Gugu é recebido
 Bananeiras
Créditos: Márcio Rangel
 Bananeiras
Créditos: Márcio Rangel
Foto: Gugu é recebido por multidão em Bananeiras
Créditos: Márcio Rangel

Portal correiio

'Está traumatizada', diz mãe de bebê que acusa creche de agressão

Ivair Vieira Jr. do G1 Santos

Menina ferida está traumatizada (Foto: David Gomes/Arquivo Pessoal)Menina que teria sido agredida em creche está traumatizada. (Foto: David Gomes/Arquivo Pessoal)
O bebê de apenas 11 meses que, segundo a família, foi agredido em uma creche municipal de Iguape, no litoral de São Paulo, ainda sofre com as marcas espalhadas pelo corpo. Segundo a mãe da menina, Dayara Barros, desde que as marcas apareceram a menina não consegue tomar banho. A família pretende levar a bebê em um psicólogo infantil para tentar reverter o trauma. A prefeitura ainda aguarda a investigação da Polícia Civil para concluir o que realmente aconteceu.
Segundo Dayara Barros, mesmo uma semana depois do ocorrido, ela não consegue dar banho normalmente na filha, como fazia antes. "Não consigo dar banho. Ela não deixa a gente colocá-la sentada na banheira. Se fizermos isso ela começa a chorar. Temos que lavá-la de outras maneiras. Nos próximos dias vamos até um psicólogo infantil, porque ela está traumatizada", explica.
Dayara conta que algumas marcas da agressão ainda podem ser vistas nos braços da menina. "Os hematomas já estão melhores, bem clarinhos, mas as unhadas nos ombros ainda são bem nítidas", descreve.
A rotina da família também foi alterada depois da suposta violência. "A menina agora está ficando com a minha sogra. Ela ia para a creche porque eu e meu marido ficamos o dia inteiro fora, mas agora ninguém consegue trabalhar direito. Isso mudou a nossa rotina completamente", diz Dayara.
A mãe da criança agora espera por Justiça. "Procuramos a diretoria da creche e falamos até com o prefeito, que me garantiu que vai apurar o que aconteceu. Mas até agora ninguém da prefeitura procurou a gente para dar um apoio. Eu estou indignada. Ela é um bebê. Como mãe, eu quero saber quem fez isso, quero a verdade, e o responsável tem que pagar. A gente precisa de uma resposta. Estamos todos angustiados", lamenta.
Outro lado
De acordo com nota divulgada pela assessoria de imprensa da Prefeitura de Iguape, o departamento jurídico não antecipará a abertura de processo administrativo porque aguarda a apuração dos fatos pela autoridade policial, referente aos nomes indicados dos supostos agressores e provas mencionadas, para que não sejam cometidas injustiças.
Ainda segundo a nota, os pais da criança em questão procuraram o prefeito em sua residência e tiveram a garantia de que se houver culpado, a pessoa será punida por meio de processo administrativo, mas se ficar comprovado falsa notícia de crime, as devidas providências serão tomadas.
Criança está cheia de hematomas no braço (Foto: David Gomes/Arquivo Pessoal)Criança ficou cheia de hematomas no braço.
(Foto: David Gomes/Arquivo Pessoal)
O caso
Um bebê de apenas 11 meses foi agredido, segundo os pais, em uma creche municipal de Iguape, no litoral de São Paulo. A menina apareceu em casa cheia de hematomas nos braços, além de marcas de unhas em um dos ombros. O caso, ocorrido no dia 19 de março, foi registrado no Distrito Policial da cidade.
Segundo o comerciante David Gomes França, pai da criança, na manhã do dia 19 ele deu banho na menina junto com a mãe e ela não tinha nenhuma marca. Ele conta que depois a levou para a Creche Municipal Joana Pedrá, no bairro Canto do Morro, onde a menina estava desde o começo de fevereiro. Quando chegou em casa à tarde e foi dar banho na menina, percebeu que o braço direito dela estava cheio de hematomas e, no esquerdo, haviam marcas de unhadas, perto do ombro.
Logo em seguida, os pais a levaram ao Pronto-Socorro Municipal de Iguape. De acordo com David, o médico que a examinou disse que os ferimentos foram feitos por uma pessoa adulta. Além de ter registrado o caso na Polícia Civil, o comerciante pretende entrar com um processo na Justiça.

Autoria da música ‘Ai se eu te pego’ será julgada na Paraíba, diz Justiça

Do G1 PB

ai seu eu te pego sharon estudantes (Foto: Laerte Cerqueira/G1 PB)Três estudantes fizeram acordo extrajudicial com
Sharon Acioly, mas outras três ainda reivindicam
autoria (Foto: Laerte Cerqueira/TV Cabo Branco)
O processo sobre a autoria do sucesso ‘Ai se eu te pego’, gravado pelo cantor Michel Teló, será julgado em João Pessoa. A decisão foi tomada por unanimidade pela Segunda Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba na manhã desta terça-feira (26), mantendo a competência da comarca da capital paraibana para julgar o caso.

A Apple Computer Brasil havia entrado com um recurso pedindo a suspensão do julgamento em João Pessoa. O argumento era de que as estudantes propuseram ação contra sete réus perante o tribunal de João Pessoa, mas nenhum dos acusados tem domicílio na comarca.  As estudantes Maria Eduarda Lucena dos Santos, Marcela Quinho Ramalho e Amanda Borba Cavalcanti de Queiroga reivindicam na Justiça a coautoria da música, bem como receber indenização por danos morais e materiais.
O relator garantiu que o foro de João Pessoa é competente para julgar a ação. “Mesmo levando em consideração que a mencionada música foi amplamente tocada e distribuída por todo o território nacional, as agravadas poderiam escolher qualquer foro para ajuizar a ação”, explicou o desembargador Marcos Cavalcanti.

“Quanto o ato ou o fato ocorre em mais de um lugar, é competente qualquer deles para o julgamento da ação reparatória, resolvendo-se eventual conflito pela prevenção”, observou o relator sobre o argumento da Apple.

Entenda o caso
As três estudantes paraibanas Marcella Quinho Ramalho, Maria Eduarda Lucena dos Santos e Amanda Borba Cavalcanti de Queiroga entraram na Justiça porque dizem ser coautoras do hit gravado pelo cantor Michel Teló. A ação é contra Sharon Acioly e Antônio Dyggs, que registraram a música, e também contra a Editora Musical Panttanal Ltda, a Teló Produções, a gravadora Som Livre, a Apple Computer do Brasil e o próprio Michel Teló.

As autoras da ação indenizatória querem ter o mesmo direito que foi dado a outras três estudantes em fevereiro de 2012. Elas afirmam que criaram o refrão de 'Ai se eu te pego' durante uma viagem com um grupo de amigas à Disney, em 2006. A brincadeira criada durante a viagem foi levada três anos depois para um show de Sharon Acioly no Axé Moi, em Porto Seguro, onde apenas parte do grupo de garotas esteve presente.

A cantora, impressionada com a brincadeira e pela dança das jovens, resolveu repetir o refrão no palco, dizendo “música nova, composição das minhas três backing vocals de João Pessoa”, conforme mostra um vídeo amador disponibilizado no Youtube. As três jovens que estiveram em Porto Seguro acabaram sendo reconhecidas como coautoras do hit.

As estudantes Karine Vinagre, Amanda Cruz e Aline Medeiros fecharam um acordo extrajudicial com Sharon no dia 4 de fevereiro de 2012 em uma reunião feita em João Pessoa. O advogado André Cabral, que representa estas meninas, não entrou em detalhes a respeito dos valores do acordo firmado com Sharon Acioly e com a Editora Pantanal em respeito à cláusula de confidencialidade.

Na época do acordo, a assessoria de imprensa de Sharon Acioly negou a participação das três meninas que estão questionando na Justiça a autoria na elaboração do refrão de 'Ai se eu te pego'. “Quanto às estudantes paraibanas Marcella Quinho Ramalho, Amanda Borba Cavalcanti de Queiroga e Maria Eduarda Lucena dos Santos, que vieram recentemente a público para reivindicar suposta participação na autoria, e divulgaram uma alegada disputa incoerente, esclarece-se que a mesma não é reconhecida pelos verdadeiros compositores e coautores da obra”, dizia a nota.

Com fardas do Exército, bandidos explodem caixa eletrônico e fogem atirando contra polícia

InternetCaixa ficou destruído
Caixa ficou destruído
Cerca de dez homens vestidos com uniformes do Exército Brasileiro explodiram um caixa eletrônico da Caixa Econômica Federal (CEF), localizado em um anexo da Prefeitura Municipal de Lucena, Litoral Norte paraibano. Sede do governo local não foi danificada, conforme informou a Polícia Militar.
De acordo com o 7º BPM, por volta das 2h30, os criminosos chegaram em um camioneta Hilux e motos, montaram os explosivos e detonaram o terminal eletrônico. Um vizinho da prefeitura ouviu o barulho e acionou a polícia do destacamento local.
“Quando os policiais chegaram ao local ainda encontraram a quadrilha já se organizando para ir embora. Eles viram os policiais e efetuaram tiros de fuzil e metralhadora”, disse um policial do CPU do 7º BPM.
Ainda de acordo com o batalhão, os assaltantes jogaram grampos na rodovia para evitar perseguição policial. A Polícia Militar de outras cidades foi acionada e diligências foram feitas no litoral, mas ninguém foi identificado.

Portal Correio

terça-feira, 26 de março de 2013

Indústria investe em inovação e gera dezenas de lançamentos na Páscoa

Simone Cunha Do G1, em São Paulo

Com mais de cem lançamentos neste ano, a Páscoa brasileira vem inovando cada vez mais. As indústrias lançaram mais de 100 novos ovos nesta Páscoa, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados (Abicab).
Diamante Negro em formato de diamante, inovação da Lacta na Páscoa de 2013. (Foto: Divulgação/Lacta)Diamante Negro em formato de diamante, inovação
da Lacta em 2013. (Foto: Divulgação/Lacta)
Nos últimos cinco anos, as grandes indústrias de chocolates desenvolveram dezenas de novos ovos a cada Páscoa, investindo em novos formatos, embalagens e sabores.
Os lançamentos da Lacta aumentaram de forma consistente de 2009 para cá, passando de 4 para 13. “Foi natural do entendimento e da maturidade na Páscoa, não há uma grande virada. Fomos aprendendo a fazer, conhecendo mais o consumidor e buscando estar cada vez mais perto e entendendo a necessidade dele”, diz a gerente de marketing de Páscoa da Lacta, Renata Del Claro.
A Garoto mantém uma média de 15 novos ovos por ano e renova todo ano cerca de 80% do portfólio de Páscoa focando em novas versões das principais marcas – Talento, Baton e Serenata de Amor, diz a gerente de produtos da Garoto, Fernanda Canto.
“O consumidor tem até dificuldade de escolher, porque é tanta opção, variedade, tipo”, diz o vice-presidente da Abicab, Ubiracy Fonseca.
Sem divulgar os investimentos em inovação, as empresas dizem que o conceito é de ordem no segmento Páscoa e exigência do consumidor nesta época de aumento da lucratividade. Na Lacta, foram 18 meses de planejamento e seis meses de produção para a Páscoa deste ano em busca de uma lucratividade cerca de quatro vezes maior que os demais meses do ano.
Lançamento de 2013 da Garoto, Serenata do Amor vem com porta-joias e pingente. (Foto: Divulgação/Garoto)Lançamento de 2013 da Garoto, Serenata do Amor
vem com porta-joias e pingente.
(Foto: Divulgação/Garoto)
Na média da indústria, a Páscoa representa o 13º, ou seja, as vendas do período são o dobro de um mês comum, segundo a Abicab. Na Lacta, segundo Renata, a lucratividade equivale a quatro meses de vendas. “É o pico do consumo de chocolate no país, e a categoria toda tem aumento, mesmo os não voltados à Páscoa”, diz Renata.
Inovação
Entre as inovações tipicamente brasileiras e mais recentes estão os ovos com recheio, para comer de colher, e o gigantismo, que se estabeleceram desde o ano passado.
A Lacta investe pesado em gigantismos, colocando no formato de ovos versões grandes de Bis, Sonho de Valsa e Diamante Negro. A Garoto aposta na transformação dos ovos em presentes, agregando ao chocolate maletas, porta-joias e pingentes. A Nestlé acompanha a Garoto, mas busca atender todos os perfis – entre gourmets e preocupados com preço.
As indústrias também colocam entre os carros chefe da inovação a aposta em mudanças anuais nas principais marcas – caso do Sonho de Valsa, na Lacta, e do Serenata de Amor, na Garoto – por serem produtos que têm uma clientela fiel, mas que busca algo especial para presentear na Páscoa. A marca Sonho de Valsa foi líder de venda nas Páscoa 2011, segundo a Lacta.
No mesmo sentido, a Nestlé lançou o Alpino de colher e Alpino Formato, que exploram a marca vendida em bombom. O Lollo, ícone da década de 1980, que voltou ao mercado nas barras de chocolate com leite maltado, também aparece nesta Páscoa em ovos em duas camadas, sendo a interna com sabor de leite maltado.
Os licenciamentos são outra fonte de inovação, principalmente em produtos voltados para crianças – com licenciamento de filmes e personagens de desenhos e brinquedos – mas também com as licenças ligadas ao futebol.
Alpino Formato é o lançamento da Nestlé no gigantismo - bombons gigantes (Foto: Divulgação/Nestlé)Alpino Formato é o lançamento da Nestlé no gigantismo - bombons gigantes (Foto: Divulgação/Nestlé)

Desenvolvimento
Na Lacta, a inovação na Páscoa é comandada por uma equipe de cerca de 20 pessoas, contratada para trabalhar só com a data pesquisando, inventando, trazendo inovações.
Chamado de time multifuncional, a equipe reúne engenheiros de desenvolvimento de produtos e embalagens, equipe de tecnologia, além de áreas de apoio como marketing, planejamento e logísitica.
A estrutura da Lacta é a semelhante a existentes nas outras grandes indústrias, segundo o vice-presidente da Abicab, Ubiracy Fonseca. Segundo ele, as empresas estimulam intercâmbio entre laboratórios e gestão do exterior, informação e know how. Já as pequenas contratam empresas especializadas em marketing e inovação de produtos, um mercado menor porque voltado a indústrias de médio porte.
Demanda
“A gente entende que isso (a inovação) é uma demanda do consumidor”, diz a gerente de marketing de Páscoa da Lacta, Renata Del Claro. A Abicab concorda apontando que o cliente tem exigido inovações, buscado produto importado e diferente do que tem corriqueiramente.
Ovo com casca recheada, como a do Sonho de Valsa, é inovação que veio das chocolaterias para a indústria. (Foto: Divulgação/Lacta)Ovo com casca recheada, como a do Sonho de
Valsa, é inovação que veio das chocolaterias para
a indústria. (Foto: Divulgação/Lacta)
“Investimos constantemente em pesquisas para entender o significado da Páscoa para o consumidor e o que ele espera deste momento. O resultado deste conhecimento está refletido nas inovações trazidas pela marca, com produtos especiais, e embalagens mais presenteáveis”, afirma Renata.
Entre as inovações da Lacta, segundo Renata, está a fabricação industrial dos ovos tripla camada, que leva duas de chocolate maciço e uma cremosa no meio. A empresa teria trazido o clássico das chocolaterias, de ovos caseiros, para a grande escala e o processo industrial.
Por fazer parte do grupo Mondelez, que vende suas marcas – como Cadbury e Milka – em cerca de 160 países, a inovação na Lacta se beneficia também da sinergia com as equipes de outros países. Já o aproveitamento das inovações brasileiras para a Páscoa em outros países enfrenta a barreira cultural. Poucos têm Páscoa como a nossa e, nos que têm, a tradição de presentear com chocolates é diferente. “O Brasil tem característica de produtos ofertados na Páscoa muito diferente dos outros países. A característica de gostar de tamanhos grandes. Gigantismos são daqui”, diz Renata, da Lacta.
Segundo a Abicab, a inovação passa pelo desenvolvimento de moldes em formatos diferentes e na busca pelo aumento da produtividade e da redução de custos. “As empresas têm automatizado as linhas de produção, o que é difícil no setor porque é uma produção muito manual, o que no Brasil não é barato por que não pode ser substituída”, diz Ubiracy.
Os desenvolvimentos não se estendem a equipamentos, segundo Ubiracy. “É mais na apresentação dos produtos. Brasil inventou o ovo para comer com colher, que traz o próprio produto da marca e os formatos também são inovação brasileira, que traduz o chocolate, o formato dele, no produto”, diz.

Preços de ovos têm variação de até 68,8%



Matéria do Jornal da Paraíba


Pesquisa do Procon-JP mostra variação de até 68,89% nos preços dos ovos de páscoa encontrados no supermercados e lojas da capital.

Francisco França
Pesquisa do Procon-JP foi realizada nos dias 18, 19 e 20 de março, em dez estabelecimentos da capital
Pesquisa do Procon de João Pessoa mostra que variação nos preços de ovos da Páscoa chegou até 68,89% nos em supermercados e lojas de departamento da capital.
O produto da venda do ‘Coelho ao Leite’ (50 gramas) da Garoto foi o de maior variação de preço. O menor valor pode ser encontrado no Supermercado Santiago, na Torre, por R$ 2,99, enquanto o maior valor comercializado é R$ 4,99 nas Lojas Americanas, o que representa uma economia de R$ 2,00.
Já a menor variação foi encontrada no Sonho de Valsa tripla camada (337 gramas,) da Lacta, de apenas 0,21%.
Foram pesquisados 174 itens das marcas Garoto, Lacta e Nestlé. Também foram pesquisados os preços de caixas de bombons e de outras marcas de ovos de páscoa.
A versão do chocolate ‘Sonho de Valsa tripla camada’ tem a menor variação dentre todos os itens pesquisados pelo Procon-JP. O menor valor da versão pode ser encontrado no Carrefour por R$ 46,89 enquanto o valor mais alto está no Pão de Açúcar por R$ 46,99
Entre os ovos mais caros estão: Jumbos, da Garoto (R$ 61,99), Super Talento, da Garoto (R$ 74,49), Especialidades, da Nestlé (R$ 61,99), Diamante Negro, Laka e Grandes Sucessos, da Lacta (R$ 62,99).
A pesquisa do Procon-JP foi realizada nos seguintes estabelecimentos: Cacau Show (Shopping Tambiá), Supermercado Latorre (Torre), Supermercado Santiago (Torre), Lojas Americanas (Shopping Tambiá), Supermercado Manaíra (Manaíra), Carrefour (Bessa), Supermercado Extra (Epitácio Pessoa), Hiper Bompreço (Bessa), Bem Mais (Bancários) e Pão de Açúcar (Bessa).
A pesquisa foi realizada nos dias 18, 19 e 20 de março, em dez estabelecimentos da capital.
A pesquisa tem o objetivo de monitorar os preços do produto para ajudar o consumidor nas compras para a Páscoa. Para acessar a pesquisa completa ou conseguir mais informações, acesse o portal da Prefeitura de João Pessoa.

Pescado até 70% mais em conta

JORNAL DA PARAIBA

Preço do pescado em peixarias de bairros populares pode representar uma economia de até 70% nas compras para a Semana Santa.

Francisco França
Entre os tipos de pescado mais procurados pelos pessoenses a variação chega até 33, 33% no comparativo

Sem perda de qualidade, comprar em bairro mais popular pode significar uma economia de quase 70% no preço do pescado para a Semana Santa. Isto porque, embora os peixes estejam com os preços estabilizados – sem alta recente -, em Tambaú, o quilo da pescada branca com cabeça está custando R$ 22, enquanto em Mangabeira é cobrado R$ 13 pelo quilo do mesmo peixe.
Não se importando em pesquisar por valores mais em conta e com a Semana Santa batendo à porta, o consumidor acabou comprando mais e as peixarias do Mercado dos Peixes em Tambaú chegaram a vender 300 quilos de pescado no último final de semana.
Segundo a vendedora Gilvaneide Silva, o cliente que visita os boxes nesta semana é aquele que conhece os produtos e os preços praticados durante o ano todo. “Vendi entre 250 e 300 quilos no final de semana. A pescada branca não estamos vendendo mais porque ela vem de fora e vem com o preço mais alto mesmo. Nós não aumentamos os preços de nada e não deveremos fazer isto até a Semana Santa. O cliente fica satisfeito em comprar conosco”, contou.
A cioba, o dourado e a cavala estão entre os tipos de pescado mais procurados pelos pessoenses e eles também apresentaram diferenças de até R$ 5 (33,33%) no comparativo dos preços praticados nos bairros.
Para o comerciante da Peixaria Bom Jesus em Mangabeira, Ednaldo Medeiros, o vendedor se adéqua ao público. “O cliente, as vezes, paga pela comodidade de comprar mais perto de casa. Mas garanto que a qualidade é a mesma, inclusive, porque eu revendo para comerciantes da beira-mar”, afirmou.
A secretária do lar Marilene Augusto disse que compra sempre em Tambaú, apesar de considerar os preços 'razoáveis'.
Seja neste ou naquele estabelecimento, a quantidade de peixe vendido, na opinião do vendedor Agostinho dos Santos, é muito boa nesta época. “O cliente não vai ter alta até o feriado. Eu não acredito nisso e também não acho que vá faltar pescado. O mais importante é que, aqui ou em outro lugar, o pessoense está comprando muito peixe para a Semana Santa”.
QUILO DO PEIXE A R$ 6
A Divisão de Piscicultura da Empresa Paraibana de Abastecimento e Serviços Agrícolas (Empasa) vai comercializar cerca de cinco toneladas de peixes vivos amanhã, a partir das 6h30. As espécies comercializadas durante o dia, na sede da Empasa – localizada na rua Raniere Mazilli, no Cristo Redentor -, serão tilápias, carpas e tambaquis com preço de R$ 6 pelo quilo do pescado. “Com a estiagem, a quantidade a ser comercializada teve uma queda significativa, mas a população não vai ficar sem o pescado da Semana Santa”, antecipou o presidente da Empasa, José Tavares Sobrinho. Os peixes são provenientes da Estação de Piscicultura da Empasa em Itaporanga.